Podemos fazer de avestruz… ou não!

Por Ricardo Florêncio

Podemos fazer de avestruz, ou não! podemos fazer de conta que o problema não existe ou tentar abordá-lo de frente! podemos deixar chegar ao ponto de implodir /explodir… ou estudar desde já as diversas alternativas podemos fazer de avestruz, ou não! 

Estou a referir-me à situação da Segurança Social. É evidente que quem trabalhou 35/40 anos e viu as suas empresas descontar para esse fundo, está no seu maior direito de exigir o pagamento das suas reformas adequadas. Nada a dizer sobre esta situação. Não nos podemos esquecer que mensalmente pagamos à Segurança Social 35% da nossa massa salarial (11,5% directos e mais 23,5% por via indirecta). Contudo, o aumento da esperança média de vida, e a estrutura da pirâmide etária actual em Portugal, e aquela que se perspectiva para os próximos 10/15 anos, não apresentam dúvidas: o sistema vai estoirar. Hoje, em Portugal, mais de 50% da população já tem 50 anos ou mais. Segundo as últimas estimativas, daqui a 10 anos, mais de 50% da população portuguesa vai ter mais de 58 anos. Qual o futuro que nos reservam? O pagamento de uma reforma com valores muito baixos, e cada vez mais baixos? E é justo? Ou é considerada uma inevitabilidade e, assim, encolhemos os ombros? Olhamos para trás e vamo-nos perguntando por que razão andámos a pagar 35% da nossa massa salarial todos os meses? E o que dizer da nossa geração que começou agora a trabalhar? Daqui a 20/30 anos, nada vai sobrar para lhes pagar. E será que estas gerações mais novas estão na disposição de financiar as mais velhas, já com este pressuposto? Ou estamos a caminhar para um conflito de gerações?

A questão fulcral é: que tipo de sociedade desejamos e preconizamos para o futuro? Vê-se alguma coisa escrita sobre o assunto, mas não a preocupação que a situação e o problema merece. O debate deveria ser profundo com resultados e propostas concretas e objectivas.

E, na verdade, fazer de avestruz é a pior das soluções…

Editorial publicado na edição de Abril de 2017 da revista Executive Digest

Recomendar
  • gplus
  • pinterest