As lições reais do declínio da Kodak

A Eastman Kodak é muitas vezes (mal) vista como uma empresa cujos gestores não perceberam antecipadamente que a tecnologia digital iria dizimar o seu negócio tradicional. Contudo, o que realmente aconteceu à Kodak é bem mais complicado – e instrutivo.

Eastman Kodak é regularmente citada como o exemplo icónico de uma empresa que não soube perceber a importância de uma transição tecnológica que ameaçava o seu negócio. Após décadas a ser líder incontestável na fotografia com película, a Kodak criou a primeira câmara digital em 1975. Mas na altura, segundo a história, a empresa não foi capaz de ver a mudança fundamental (neste caso em particular, do analógico para o digital) que já estava a acontecer mesmo debaixo do seu nariz.

O grande problema desta versão dos eventos é que ela está… errada. Além disso, ignora algumas lições importantes com as quais outras empresas podem aprender. Para começar, os líderes seniores da Kodak tinham bem a noção da tempestade que se aproximava.

Leia este artigo na íntegra na edição de Agosto da Executive Digest.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest